Todo mundo vende alguma coisa: O que você vende?

Todo mundo vive de vender alguma coisa, conheça isso ou não, aceite ou não, goste disso ou não.

Antes de você ser médico, advogado, escritor, mecânico, desenvolvedor de softwares, cozinheiro… não importa a sua profissão, antes dela você é um vendedor de si mesmo e do seu trabalho. Pessoas compram pessoas, contratam pessoas, seguem pessoas, antes do produto, serviço, livro ou seja lá o que for.

Nos anos 90 se falava muito sobre o termo Marketing Pessoal. Naquela época o paradigma de que somente a parte técnica é importante para um bom profissional começou a se perder, pois esse conceito começava a não fazer mais sentido. Acho que a única coisa que faltou a ser dita sobre esse assunto naquela época é que Marketing Pessoal, acima de tudo é Marketing o que por si só tem uma relação estreita com vendas.

Do que adianta você ser um ótimo jornalista, tecnicamente o mais talentoso da sua cidade, se os jornais locais não te conhecem e possuem essa percepção de você?

Esse assunto me faz lembrar um chefe que tive logo no início da minha carreira de desenvolvedor de softwares. Nessa época eu trabalhava em um curso de programação no qual esse chefe era o dono desse curto e também um dos professores. O que mais me chamava atenção nele, não era o quanto ele sabia, pois mesmo ele sendo o dono do curso, praticamente todos os outros professores do curso tecnicamente eram melhores do que ele, porém, ele de longe era o cara que melhor sabia vender as suas aulas, ainda que não tivesse a melhor didática.

Em alguns fóruns de programação era comum ver menções muito positivas a ele e consequentemente ao curso, ainda que existissem professores melhores que ele tanto dentro do próprio curso quanto em outras instituições. Qual era o diferencial dele? Ele era (e ainda é) um exímio vendedor.

Uma entrevista é um processo de vendas, mais do que explícito. Não é o que sabe mais que é contratado, é quem se vende melhor que preenche a vaga. É o que falei anteriormente, antes das pessoas e empresas contratarem os seus serviços elas contratam você como pessoa. Se elas não enxergarem em você a capacidade de resolver os problemas delas, elas não vão te contratar, não importando muito o quanto você saiba. No fim de tudo o que importa não é só o que você sabe, mas sim como os contratantes te veem.

Veja bem, enxergar a sua capacidade é muito diferente da sua capacidade em si. Meu ex-chefe por exemplo, vendia mais conhecimento do que realmente sabia. O que quero salientar aqui é: O que as pessoas veem de você é diferente do que você realmente é ou sabe, o que vai variar é a forma como você se mostra. Essas duas coisas são separadas, o que as pessoas veem de você e o que você é.

Como uma vez ouvi do Roberto Justus num programa de TV: “O conteúdo é tão importante quanto a forma.”

O marketing explica isso de uma forma simples, direta e fácil de entender. No marketing,  o que eles explicam é: O que o consumidor compra é a oferta e não o produto. Isso quer dizer que, uma oferta ótima e um produto ruim, o produto vende mas vende muito pouco e não consegue criar uma relação a longo prazo com o consumidor. Uma oferta ruim e um ótimo produto, o produto vende também(e pode vender muito inclusive), porém esse crescimento muito provavelmente vai acontecer de forma muito lenta. Uma oferta ótima e um produto ótimo, o produto e a marca se perpetuam.

Profissionalmente, somos criados para sermos/termos um ótimo conteúdo, mas não para termos uma ótima oferta. Aprendemos coisas complexas, ensinamentos profundos e difíceis de se entender, mas raras são as vezes que desenvolvemos o nosso otimismo, a nossa gratidão, nosso bom humor, a nossa capacidade de comunicação e expressão, nossa capacidade de passar segurança em relação ao nosso serviço para um cliente ou um empregador. Nos desenvolvemos muito tecnicamente e temos uma tendência a só olhar para esse pilar, como se só ele fosse importante para que a gente se torne um grande profissional.

Temos todas as respostas técnicas gravadas na cabeça ou anotados em um papel caso perguntem, mas as perguntas em relação a nossas capacidades humanas e em como nós resolveremos os problemas da empresa em questão, geram sempre respostas improvisadas ou repetitivas, nunca nos preparamos de verdade para elas. Nos preparamos para responder perguntas técnicas sobre o filtro de água que vendemos, mas nunca em como o nosso filtro de água mata a sede do nosso cliente.

Antes de que comprem o seu serviço ou que te contratem as pessoas precisam: Conhecer você. gostar de você e confiar em você. Sem isso fica difícil ir adiante em qualquer negociação, não importa se é uma venda de uma televisão ou no desenrolar de uma paquera, ou numa entrevista profissional.

O que eu sugiro a você? Estude vendas e marketing, independente do que você seja. Não precisa ir a fundo nisso, mas leia um ou dois livros, ao menos para ter alguma noção. Outra dica bacana é ler sobre livro de persuasão, vale muito a pena.

Para finalizar quero deixar duas coisas que realmente podem lhe ajudar nessa jornada.

A primeira é: Leia o artigo meu onde falo Por que Você precisa ter uma presença digital nesse artigo abordo a importância disso, quais as mudanças no mundo estão ocorrendo para que isso se torne assim tão necessário. Clique aqui para ver o artigo.

A segunda: Leia ou escute o livro como fazer amigos e influencias pessoas. Vou deixá-lo aqui a seguir para que você possa desfruta-lo.

E para ouvir mais, acesse minha sessão onde compartilho vários Audiobooks em Portugues Gratis para Download, clique aqui para baixar os audiobooks!

Gostou do conteúdo? Por favor, maque 5 estrelas aqui abaixo  e compartilhe no seu Facebook para que mais pessoas possam, assim como você, se beneficiar desse conteúdo!

Muito Obrigado!

 

Todo mundo vende alguma coisa: O que você vende?
5 (100%) 2 votes

Adicionar um Comentário

Comente abaixo!