Os 5 pilares da inteligencia emocional

daniel-goleman-inteligencia-emocional

No mundo tão competitivo quanto o de hoje, cada vez mais são exigidas, de empregados ou empregadores, habilidades de caráter emocional, como por exemplo bom relacionamento interpessoal e auto-motivação. Antigamente acreditava-se que o QI(Quociente de inteligência) era determinante para o sucesso de um profissional, mas essa barreira foi rompida principalmente nos anos 90 com o amadurecimento da teoria da Inteligência Emocional, onde constatou-se que muito do sucesso profissional de uma pessoa passa muito pela sua inteligência emocional, não somente pelo QI como pesquisadores haviam pensado antes.

Para o sucesso numa carreira, a proporção de mais QI ou menos QI, ou mais Inteligência Emocional ou menos Inteligência Emocional, varia de acordo com função e da carreira em questão, mas o fato é de que: Fica muito mais difícil obter sucesso profissional desenvolvendo ou um ou outro, pois ambos são significativamente presentes e importantes para a nossa evolução humana e profissional.

Mediante a isso, fiz um apanhado sobre os 5 pilares da inteligência emocional, sem o desenvolvimento deles(e principalmente do primeiro) é impossível ser emocionalmente maduro e inteligente.

Obs: Conteúdo baseado no livro: Inteligência Emocional de Daniel Goleman

1 – Autoconsciência

Ter autoconsciência é estar ciente e presente quando suas emoções estiverem acontecendo, é perceber a raiva(por exemplo) enquanto ela estiver acontecendo, é ter ciência disso. Sem essa percepção é impossível pensar em uma inteligência emocional eficiente e madura, ela é a base de tudo. Como você vai conseguir administrar seu medo, fúria ou tristeza se você não tiver ciência dela? A base de tudo é o “Conhece-te a ti mesmo” de Sócrates, ela é o primeiro passo para uma administração melhor das próprias emoções.

2 – Administração das próprias emoções

Lidar com as próprias emoções é a segunda habilidade a ser desenvolvida para quem busca uma uma boa inteligência emocional. É combater a o sentimento de tristeza durante o seu desenvolvimento, é não aceitar passivamente isso para si mesmo. Sentir é inevitável, afinal de contas, seres humanos são seres emocionais e sentimentais mesmo, portanto é quase impossível evitar o surgimento dessas emoções. Mas como somos autores da própria história e pilotos de nós mesmos, temos totais condições de fazermos do nosso campo domesticado e saudável. Umas das técnicas que existem para fazer isso é justamente a técnica DCD que aborto neste artigo aqui.

3 – Auto-Motivação

Motivar-se é um dos principais trunfos de pessoas que possuem uma boa saúde mental e uma boa capcidade de pilotar as próprias emoções. Motivação tem a verdade com motivo para ação, com o que faz você se mover e fazer algo importante. A partir do autoconhecimento e do entendimento de si mesmo você consegue entender qual é a sua grande motivação e ai sim colocar isso ou não ao seu favor. O ser humano costuma fazer o que faz por conta de duas coisas: Ir em busca do prazer ou fugir de uma dor. A partir daí você pode começar a se entender melhor para ir se conhecendo melhor, justamente, entendendo quais são as suas maiores fontes de prazer nessa vida e quais são os seus maiores medos nessa vida. Se você conseguir combinar a busca por um prazer junto com a fuga de uma dor sua em busca de uma meta, você com certeza estará fortemente motivado. Conheça os seus medos e dores como também os seus prazeres mais doces.

4 – Consciência das emoções do outro

Esse é um ponto sofisticado para muitos quando se fala em inteligência emocional. Algumas pessoas simplesmente não conseguem pensar em como os outros estão se sentindo ou como irão se sentir depois de alguma ação. É difícil manter relacionamentos saudáveis sem ter um pouco de empatia e altruísmo de pelo menos um dos dois lados. Empatia é uma habilidade emocional, intuitiva e analítica. Pessoas altamente empáticas e altruístas costumam estar em cargos de liderança justamente por ter essa facilidade de lidar com pessoas.

5 – Administração do impacto das emoções do outro

Aqui já é uma mistura entre o ponto 2 e o ponto 4 aqui desse artigo. Lidar com a sua raiva é uma coisa, agora, lidar com o impacto da raiva do outro em você é completamente diferente. Você não tem como controlar a raiva do outro, você só tem como controlar o impacto dela em você o que é bem diferente. Estamos falando de uma habilidade interpessoal e isso exige paciência, calma e empatia para entender os sentimentos, causas e condições que levaram ao outro entrar naquele estado. A princípio essa habilidade não é fácil, justamente pela sua sofisticação de ter que lidar com quase todos os outros pontos que abordamos aqui, mas mesmo não sendo fácil pode e deve ser desenvolvida. Uma pessoa com esta habilidade com certeza confere a pessoa muitos benefícios, como sair na frente numa seletiva para uma vaga de emprego, até na conquista de um par amoroso. O homem é um bicho social e por esse motivo essa habilidade é mais do que especial para a sociedade em que vivemos.

Finalizando…

Pra finalizar quero colocar aqui dois pontos. A base da inteligência emocional é o auto-conhecimento e a auto-observação o tempo todo. Só depois que você consegue lidar com as próprias emoções que você se habilita para ter relacionamentos melhores e mais saudáveis.

Gostou do artigo? Marquei 5 estrelas e deixe seu like, dessa forma você vai colaborar para que mais pessoas possam ter acesso a este conteúdo. Muito Obrigado!

Os 5 pilares da inteligencia emocional
4.95 (99.09%) 22 votes

Adicionar um Comentário

Comente abaixo!